Perdas gestacionais, FIV e adoção consensual

Language:
aquino amar contamos histórias reais depessoas como eu e vocêhistórias de superação e luta e acima detudo amorqueremos levar esperança informação eacolhimentopor isso agradecemos a cadeia e segurospor acreditar e patrocinar essa rede deamorpassei 12 dias internada com alto riscode vida e de novo perder meu filho achoque de fato morreu um pouco naquele diatentamos seguir nossa vida sem filhosmas chegamos à conclusão que queremossim ser pai e mãe mas também entendemosque isso não estava vinculado engravidarpatrícia tudo bemobrigado por ter vindo aqui hoje contouum pouco da sua história e grandes vocêconheceu seu marido você tinha 35 anossim e logo em seguida você engravidouassim como é que recebeu essa notícia dagravidez a gente estava no início dorelacionamento né então pra gente foi umsusto é passado o susto a gente sócomemorou porque era exatamente isso quea gente queria gente se encontrou nomesmo momento um momento que a gentequeria ter uma família e ter filhosentão como é que foi essa gestação eudescobri que eu estava grávidana quinta semana de gestação e na 12ªsemana eu perdi o bebê então foi muitorápido não deu tempo nem da genteassimila direito da minha família se láa família delena época o que a gente ouvia dos médicose aqui embora não fosse comum era normalé para uma gestação uma primeiragestação aos 35 anos é que isso podiaacontecer então infelizmente aconteceunão fazia mais sentido ficar namorandodepois do que aconteceu ea gente queriaficar junto então a gente decidiu o casologo num não esperar ainda data docasamentoa gente tinha casamento marcado é comofesta com tudo daí um ano depois em 2006e engravidou de novo e aí aconteceu tudode novo uma nova gestação a gente jácomeçou essa gestação feliz mas maispreocupado porque a gente sabia queprimeiro não tinha ido bem na 12ª semanade novo e criativo ele e aí duas perdasuma atrás da outra enfim aí já era horade investigar e antes de tentar umapróxima foi isso que a gente começou afazer é o que os médicos devendo entãonós procuramos uma série deespecialistas né não especialista emgenética um especialista em reproduçãohumana e aí nós chegamos à conclusãodepois de milhões de exames que todos osproblemas não gosta que eu diga issoporque ele fala que o problema semprefoi nosso e nunca mil mas todos osproblemas estavam atreladas a mim entãoeu tenho eu tinha tinha não tem nenhumauma série de complicações linhas deordem cronológica uma alteração genéticaséria eu tinha a questão da demandalogicamente ser muito parecido com o meumarido então o meu corpo também nãocriava anticorposenfim eu tinha tanta coisa na área queeu eu soubesse tudo isso eu tinhaavisado para ele que a gente não teriafilhos porque era impossível masresumindo quais os problemas que fizeramessas gestações não irem pra frenteentão essa é uma formação causa umaespécie de trombose na placenta elacausa é pequenos trombos na placenta eaplacenta morre e se aposenta morre o bbno segmento então eu podia ter perdidopor conta disso a gente ainda não sabiaeu tenho é essa alteração genética que ese chama síndrome de turnerentão eu mosaico para a síndrome entãoeu não tenho as características dasíndrome mas possivelmente as minhasduas gestações segundo o geneticistaeram de meninas e as e as meninas nem osembriões que eram femininos tinham essamá formaçãoentão provavelmente foi por conta doexcesso dessas duas coisas associadas aisso e já estava com 38 anos eu jáestava com 38 anosaí fomos pra fif tentamos a primeira nomeu caso como eu tenho há um problemagenético que a gente tinha que preservaro o bebê é a gente pode fazer a fiv edepois que os embriões estavam prontos agente podia transferir só meninos é sóembriões masculinos para garantir que eunão tivesse um bebê com a má formaçãoalguma lei alguma coisa me protegia comelacom isso nós assinamos um documento eassim a gente seguiu à primeira não deucerto e voltamos pra trás tentamosvoltamos lá na médica e ela disse olha asociedade com a sua qualidade de óvulosé assim eu não aconselharia vocês econtinuar tentando e à minha irmã naépoca que tinha 20 e poucos anos entãoveio com a ideia ideal eu vou doar osjogos você só voadora e agentegeneticamente parecida tem tudo para darcerto uma oferta está e eu ia já estáe aí a gente começou o tratamento aminha mãe 12 o tratamento fez a coletade óvulos agente fecundou eu transferi edeu certoeu fiquei grávida de um menino éperfeito a gestação seria o super bem eno sexto mês de gestação eu tive umproblema com a placenta a placentacomeçou a ter pequenos trombos eu tiveuma pré eclâmpsia é muito precoce eapressão subiu muito foi precoce em agudae assim muito muito cedo não havia o quea gente podia fazer eu gostava de gravaras contas neves 26 semanasfiquei 12 dias internada eu achei queinternada tudo podia dar certo né afinalde contas eu tinha uma equipe médicacomigoo diagnóstico era minha placenta foimorrendo bebê foi deixando de sealimentar e beber no rioe aí eu passei por todo o processo detrabalho de pudim de parto durante anoite toda fiz um parto normal no diaseguinte porque eu não podia tomaranestesia e tudo maise foi assim o dia mais traumático daminha vida sem dúvida nenhuma eu eurealmente morreu um pouco aquele dia emque você dá à luz um bebê que estáesperandoansiedade né dessa forma é complicadoe aí eu voltei pra casa um quartomontado com golfinhos cobradas meu sonhosei lá onde estava sem fiofoi bem difícil pra gente assim a genteeu e meu marido eu sempre digo que essascoisas que acontecem na vida de um casalou destrói o casal ou tomás atualizadoressa união muitoooo 8 ou se você ficaroportunidades e aí vocês tomaram umavida feliz na qual foi a partir daadoção era a única certeza que eu tinhaque eu seria amanhã no aí já nãoimportava mais quanto tempo irá demorarse demoraria um ano 2 10este foi o fórum se formar com osdocumentos que a gente precisava 2000estava interditada para adoção e esseprocesso foi que eu colocar e idade vocêvocê colocou que é a única restrição queeu me lembro que eu fiz inclusiveconversando com as psicólogas era eu nãogostaria de adotar uma criança quetivesse uma doença terminaleu não suporto mais perdeu do filho essafoi a frase pra elatirando isso a gente está abertovocê tem uma colega que falou de umapessoa pra você lá no maranhãocomo é que foi ela falou olha minhafamília toda do interior do maranhão euvou comentar com a minha família porquena cidade deles não existe um abrigo oboneco uma fila de adoçãodois meses depois a família do piloto euacho que encontrei uma esperança parasua vida e aí a gente começou aacompanhar disse que existe uma moça dacidade que estava grávida mas que nãotinha condição vivia uma situação muitoprecária e não tinha condição de criar ofilho e enfim se você tiver interesse emadotarvocê entra em contato com o fórum dacidade tenta achar uma advogada e partepra todos os trâmites a advogadafalei com o advogado por telefone elatopou pegar o caso manteve o processopra ela ela encontrou se a pessoa elalevou não gostar do irmão dela fez todosos exames dela para saber se ela estavabem porque era uma pessoa realmentemuito humilde mas há muita necessidade eeu não podia fazer nada por ela é quedurante esse processo você não podefazer nada nem durante o processo edepois nem antes na verdade néqualquer coisa que você faça o mesmo quevocê tenha a preocupação de ajudar podecaracterizar com um compra de criançafraude em fio é uma tia distante o tempotodo e advogada tocou o processo juntocom a com a mãe biológica em abril nodia 21 de abril 6 horas da manhã ela meligou falou vim pra cá que seu filhonascendo o primeiro vôo e isso foi àsseis da manhã o primeiro gol era sete danoite tá felipe nasceu na cidadecinco horas ainda de são luíseu cheguei na cidade dele mesmo duashoras da tarde ele nósao meio dia[Música]e aí como é que foi finalmente e mãe sesente mãe e conhecer o rio eu eu sabiaque meu filho tinha certeza eu na minhaligação com ele foi imediataparecia que eu sentia eu já tinhasentido o cheiro dele o que é uma coisaera uma ligação tão forte que nunca e eusou incapaz de explicar o que você fezuma adoção consensual sensualnormalmente há o critério de adoção dode da maioria dos juízes é não existepra eles não não é que não existe elesnão aceitam muito bem a adoçãoconsensual especialmente em grandescidades onde a gente vive por exemplo emsão paulo mesmo que a mãe escolheu euquero que a patrícia seja mãe dele senãonão existir aqui não existe em são paulonas grandes capitais onde as filas sãograndessó que numa cidade como a que o felipenasceu onde não tem um abrigo onde nãotem uma fila de adoção não tem casaisinteressadoso juiz pode se entregar próprio casalque que é um biológico escolherna verdade isso é o ideal que aconteçaque bom se acontecesse isso em todas aspequenas cidades e foi isso queaconteceu o juiz ué deu a adoção dofelipe pra nós por conta disso apromotoria pública participou enfim comtudo dentro da lei foi tudo correto[Música]a vida feliz feliz vou ter noção do seusonho o meu filho três meses depois teveuma surpresaa vida estava passando como se estivessenas nuvens eu tinha uma felicidade eu emeu marido nossa vida estava tãocompleta tão completafelipe era a melhor coisa que podia teracontecido na nossa vida e vinham asperguntas feitas não fez isso antes e umdia meu marido saiu para trabalhar eu equando voltou foi nossa eu não me sentibem hoje me perguntou ao seu ciclomenstrual aí eu me dei conta que euhavia mostrado pela última vez em abrillá quando felipe nasceu no maranhãoliguei pra minha médica e doutoraacontecendo isso isso não está grávidacoisa nenhuma fique tranquilo bem aquino consultório ou examinar você deveestar com os hormônios todos bagunçadosporque é é acabou de ser mãe se mexemesmo a gente e aí quando ela fez outrasou recostou a cabeça e me lembro atéhoje da da expressão dela falou 'você tágrávida ele e agora porque eu não tinhacondição de comemorar aquela notícia népassou um filme na minha cabeça delatambém é provavelmente então ela pensouem todos os riscos que eu pensei naquelemomento eu não posso estar grávida e euagora não agora não pode acontecer nadacomigose acontecer alguma coisa comigo agoraeu tenho felipe e como é que foi essagestação e que cuidados você te dizerque o único cuidado que eu precisei foia um tratamento com um anticoagulante etomei injeções de karina durante os novemeses e um pouquinho depois daqui otiago nasceu também é mas foi supertranquilo[Música][Música]tudo correu bem novo email para ver seele nasceu a termo como é que foi achegada do thiago é chegado thiago foiuma delíciauma garotinha nasceu felipe tinha quantotempo mas mesmo 10 praticamente jesusquando felipe começou a a dormir a noitetoda começou a querer andaro tiago chegou mas foi foi maravilhosoassim a nossa casa parecia um parque dediversão dois carrinhos dois berços doestudo muita madeira porque o chá ofelipe não aumentava mas o tiago é umamanteiga[Música]hoje eles estão com quase 9 e 10 anosrespectivamente9 10 e aí você está escrevendo um livrosobre essa experiência que viveu assim olivro já está pronto e se um livro queeu tenho o maior carinho por eleeu queria muito ter escrito para deixarpra eles inclusive acho que eles merecemter o título do livro chama vai choverde novo é pra mim é a tradução deesperança porque sempre vai chover denovo então em algum momento vaiacontecer é a gente quando tá nesseprocesso de adoção especialmentetentou ter filhos né você não entra noprocesso de adoção há raras são oscasais que entre casam dizem agora euvou adotare aí o livro tenha um pouco esseobjetivo é é falar um pouco com essescasais é sobre essas histórias ea gentequando está nesse processo de espera ésó quer ouvir histórias de sucesso gentequer ouvir a história que deu certo comfinal felize essa idéia que você acha que aprendeude mais importante com a maternidade comtudo o que se passou com a maternidadeespecialmente aprendi que nada está noseu controlepodia continuar meu tratamento e podiatentar uma outra doação de tentaremcoisas é e eu encontrei na adoção assima forma mais completa de sua mãe e nãodo tiago não tenha trazido isso thiagotambém me trouxe isso quando eu pensonos dois eu não consigo ver a diferençao amor é o mesmo a disciplina é a mesmaé o tratamento é o mesmo e o que eles medão em troca é o mesmo então assim defato eles se completam e elescompletaram a nossa vida 100% não existediferença nenhuma no amor que a gentesente por ele de verdade[Música]eu amo vocês a minha vida gira em tornode vocêsa mãe vive por você e se eu sem tudo queeu quero fazer é ser capaz de criarvocês porque vocês sejam homens de bemhomens que saibam respeitar que sejameducados que sejam um é tenham dignidadee que vocês sejam felizes não importaqual o caminho que você escolha é eu tôaqui pra isso só para ajudar no caminhode vocês e assim você já me ajudaram emtudo que eu precisavaagora é a minha vez de ajudar umpouquinho eu amo vocês viu desde em cadapatriota então elas mães apaixonadas éverdademinha missão aqui também posso falarisso pra vocês parabéns pela suahistória também brincar de verdade agente faz esse programa com amor pravocêsna próxima quarta às 20 horas a genteestá de volta com mais um episódioinédito estamos em todas as redessociais vai lá no inscrever sefaz login deixe seu comentário curtecomenta a gente faz esse programa comamor um beijo[Música]

Aos 35 anos, Patricia conheceu seu marido e logo engravidou pela primeira vez. Infelizmente, na 13ª semana, ela perdeu o bebê. Um ano depois, engravidou novamente e com 11 semanas teve outra perda. Optaram pela FIV. A primeira tentativa não deu certo. Na segunda, sua irmã mais nova foi sua ovodoadora. O procedimento funcionou e tudo ia bem, até que na 26ª semana de gestação, devido à trombofilia e outras intercorrências, Patricia acabou perdendo mais um filho. Ela e o marido tomaram a decisão de não tentar engravidar de novo e partiram para adoção. Uma história emocionante, de muita persistência e com muitas surpresas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *